Março Saudável – Conhecendo as vitaminas-B1

Março Saudável – Conhecendo as vitaminas-B1

Seguindo a programação do mês saudável, apresentamos hoje a vitamina B1.

E sempre lembrando que estas postagens têm somente caráter informativo, não substituem uma consulta médica/nutricional.

B1 – Tiamina

A vitamina B1 (tiamina) faz parte do grupo de vitaminas que formam o complexo B. Anteriormente ela era categorizada como uma vitamina a parte e era chamada de vitamina F, no entanto posteriormente devido suas características químicas e funções biológicas, foi agrupada no conjunto vitamínico do complexo B.

A absorção da tiamina acontece no intestino delgado, onde ela geralmente é liberada conjugada a grupamentos fosfato (Tiamina-difosfato). Após ser hidrolisada pelas enzimas fosfatases, a tiamina livre é capaz de se ligar a receptores específicos e ser internalizada ativamente pelas células entéricas. Quando em concentração muito alta é possível que elas também entrem passivamente, no entanto em quantidades diárias acima de 5 mg, a eficiência de absorção cai substancialmente.

A maior parte a tiamina é estocada no fígado, mas também há estoques nos músculos, ossos, rins e cérebro. A forma livre da tiamina também pode ser encontrada no plasma sanguíneo. No interior das células a tiamina age como uma coenzima no metabolismo de aminoácidos e glicose que geram ATP para a célula, portanto a tiamina é uma molécula importante para o suprimento energético celular.

Funções:

Atua nas membranas das células nervosas;

Metabolismo dos macronutrientes;

Coenzima para reações químicas no organismo;

Produção de niacina.

q

As fontes:

Grãos integrais como arroz, cereal, trigo;

♣Carne de porco;

Fígado;

♣Peixe;

Ovo;

Queijo;

♣Couve-flor;

♣Espinafre;

♣Beterraba;

♣Verduras amargas;

♣Maçã;

Limão;

♣Tomate;

♣Jaca.

Falta de vitamina

Hipovitaminose

Pode levar a doenças como a encefalopatia de Wernicke (que incluem sintomas de oftalmoplegia, confusão mental e ataxia), síndrome de Korsakoff (que inclui amnésia e desorientação) e também a beribéri (que inclui sintomas como perda de peso, fraqueza, dor nos membros, batimento cardíaco irregular, edemas, inflamação, neuropatias e distúrbios emocionais). Além de ser causada pela baixa ingestão de vitamina B1, a hipovitaminose também pode ser causada por pacientes cuja absorção da vitamina é prejudicada com em pessoas com dependência de álcool, com vômitos frequentes, com problemas gastrointestinais, dependentes químicos e HIV positivos. Em todos os casos, como a tiamina é uma importante coenzima na geração de ATP celular, é compreensível que sua falta seja bastante crítica principalmente para células onde têm maior participação como as células nervosas, musculares e cardíacas.

Hipervitaminose

Já o excesso de vitamina B1 raramente causa efeitos adversos.
Cientistas observaram que como a absorção da tiamina cai consideravelmente em concentrações maiores que 5 mg/dia e também, sendo uma vitamina hidrossolúvel, sua excreção acontece de maneira rápida, bem como o tempo de meia-vida da tiamina é curto, é raro que a tiamina tenha efeitos tóxicos ao organismo. Apenas efeitos alérgicos podem ser observados em alguns casos de consumo excessivo de vitamina B1.

Observações:

Instável ao calor (25 á 50% de perda);

Hidrossolubilidade;

Excesso eliminado via urinária, sem relatos de toxidade;

Pouco armazenada no organismo;

Absorvida no intestino delgado;

Doses elevadas seguem por difusão passiva, porém sem grande expressão.