Descarte Irregular de Lixo

Descarte Irregular de Lixo

Uma das principais questões ambientais da era contemporânea é, sem dúvida, a enorme quantidade de lixo produzida no planeta. Associado a isso, surge outro problema ainda mais desafiador: a não reutilização adequada desses materiais devido ao consumo desenfreado, ao desperdício e às falhas no descarte de lixo.

Dada a complexidade que envolve esse problema, é necessário buscar medidas para contorná-lo. Ao longo dos anos, o efeito nocivo desse modelo de descarte de lixo resultou em doenças e em prejuízos expressivos, tanto no âmbito ecológico quanto no social.

Todos os anos no Brasil são geradas mais de 79 milhões de toneladas de lixo. Desse total, acredita-se que 30% poderia ser reciclado, mas apenas 3% de fato passa pelo processo.

E como são descartados os objetos que utilizamos no dia a dia mas que não podem ir para o lixo comum?

Óleo de cozinha, eletrônicos, remédios e materiais de construção, por exemplo, não devem ser descartados no mesmo lugar que embalagens e lixo orgânico.

DESCARTE DE LIXO ELETRÔNICO

Todos os anos a população brasileira gera 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico e esse número tende a aumentar. Substâncias tóxicas como mercúrio, chumbo e berílio estão presentes nos materiais eletrônicos e, se estes não forem descartados corretamente podem contaminar o ambiente, causando problemas graves de saúde pública.

Para descartar o celular antigo que você não usa mais, por exemplo, procure no manual do produto ou na internet empresas que aceitam esse tipo de material. Assim, ele vai ser desmontado e as diferentes peças podem ser reutilizadas ou recicladas. Estima-se que 90% do lixo eletrônico comum possa ser reaproveitado de alguma forma.

DESCARTE DE ENTULHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

O descarte incorreto de entulho pode causar enchentes e criar vetor de doenças, além de contribuir para a lotação de aterros. Mesmo com todos esses problemas, mais de 80% dos municípios brasileiros não tratam de forma adequada o entulho gerado pela construção civil.

DESCARTE DE ÓLEO

1 litro de óleo pode contaminar até 25 mil litros de água. Isso acontece porque suas substâncias não se dissolvem em água e, quando despejadas nos cursos d’ água, causam descontrole do oxigênio e a morte de peixes e outras espécies.

O óleo, que dificilmente se decompõe, pode contaminar ainda o solo e, consequentemente, os lençóis freáticos. No entanto, existe uma boa solução para esse problema: a reciclagem.

Você pode acumular o que sobrou em garrafas pet e levar aos postos de reciclagem que dão um destino adequado ao material. O óleo descartado corretamente é utilizado para produção de biodiesel, sabão, tintas a óleo, massa de vidraceiro e outros produtos.

DESCARTE DE REMÉDIOS

Hoje temos acesso facilitado a diversos medicamentos e com isso acabamos com uma quantidade maior do que precisamos em casa. Então o que fazer quando a data de validade expira? Descartá-los no vaso sanitário ou no lixo comum não é a saída.

Cada quilograma de medicamento descartado incorretamente pode acabar contaminando até 450 mil litros de água, causando um grave problema ambiental e de saúde pública.

Diversas redes de farmácia contam com pontos de coleta de remédios que não serão utilizados, para que possam ter o destino adequado.

CONSEQUÊNCIAS DO DESCARTE INCORRETO DE LIXO

  • Sujeira.
  • Obstrução do passeio público. As construtoras têm a obrigação de contratar caçambas para o recolhimento do entulho;
  • Poluição ambiental;
  • Contaminação do solo e dos lençóis freáticos;
  • Poluição visual;
  • Alagamentos e inundações em períodos de chuva;
  • Proliferação de doenças;
  • Prejuízos ao turismo.